SSS Fardamentos Serrinha

SSS Fardamentos Serrinha

TERRENO

NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO DUAS TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS (
Contato com Cival Anjos: 75-99121-4433)

quarta-feira, 27 de abril de 2022

Apelidado como ‘morto-vivo’ em cidade da Bahia, lavrador tenta provar que não morreu após nome aparecer no cadastro de óbitos

Foto: Reprodução/TV Bahia

O lavrador José Raimundo Costa, de 60 anos, ficou conhecido como “morto-vivo”, em Pedrão, cidade onde mora, a cerca de 142 km de Salvador. O homem ganhou esse apelido depois de uma descoberta inusitada: aos 55 anos, cheio de saúde, descobriu que estava morto após uma consulta no cartório do município.

Na pequena cidade de pouco mais de 7.300 habitantes, é difícil encontrar alguém que não conheça essa história. O “morto-vivo” de Pedrão não é nenhuma lenda ou “causo” do município que fica no interior baiano.

A “morte” do idoso não tem causa e nem registro nos cartórios, mas tem data: 19 de agosto de 2011. O nome de José Raimundo consta no Sistema Informatizado de Controle de Óbitos (Sisobi), mas para a Receita Federal, o documento Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) está válido.

No entanto, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), os bancos e o Sistema Único de Saúde (SUS) usam os dados ofertados pelo Sisobi. Com isso, a vida do lavrador virou um pesadelo.

É da terra que José Raimundo tira o sustento da família. Na roça, ele planta milho, feijão, mandioca e cria alguns animais.

Para o trabalho duro no campo, que dá conta sozinho, ele está bem vivo. A experiência de mais de 40 anos como lavrador rendeu a ele a habilidade de reconhecer, de longe, uma safra perdida, mas quando isso acontece, o fato de estar oficialmente morto impede que ele tenha acesso ao Seguro Safra ou a empréstimos em bancos.

José Raimundo sempre dependeu dessas soluções para enfrentar os períodos de má colheita. Atualmente, o idoso teme não conseguir se aposentar.

Além disso, não conseguiu receber o auxílio emergencial oferecido durante a pandemia da Covid-19 e tem dificuldade para ter acesso a remédios e atendimento médico na rede pública de saúde.

A única coisa que conseguiu fazer durante a vida “pós-morte” foi renovar a carteira de identidade.

Divanêre Batista virou esposa de José Raimundo e ficou viúva ao mesmo tempo. A aposentada conta que se casou com o “morto” sem saber da situação que ele enfrentava.

Em 2020, o INSS disse que o erro aconteceu porque o CPF do lavrador foi colocado na certidão de óbito da mãe dele e orientou que o idoso procurasse o cartório para alterar os dados. José Raimundo cumpriu a orientação, mas a medida não foi suficiente para “trazê-lo a vida novamente”.

O lavrador tenta através da Justiça a tão sonhada “ressurreição”. Fora do cemitério, onde devia estar enterrado se realmente estivesse morto, o lavrador aproveita para fazer uma oração: não passar pela “porta do céu” tão cedo.

Do Portal NS/Fonte: g1 BA e TV Bahia

Nenhum comentário: