SSS Fardamentos Serrinha

SSS Fardamentos Serrinha

TERRENO

NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO DUAS TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS (
Contato com Cival Anjos: 75-99121-4433)

terça-feira, 22 de março de 2022

Alckmin é adversário, mas podemos construir interesse juntos, diz Lula

Alckmin é adversário, mas podemos construir interesse juntos, diz Lula
Foto: Ricardo Stuckert / Divulgação

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta terça-feira que Geraldo Alckmin é um adversário, mas que o fato não impossibilita uma aliança política. Alckmin é cotado para ser o vice de Lula nas eleições presidenciais de 2022.
 

Durante entrevista para a Rádio Som Maior, de Criciúma, Lula repetiu que, se eleito, vai "abrasileirar" o preço da gasolina e criticou a importação de fertilizantes, o que, segundo ele, demonstra a "subserviência" do governo Jair Bolsonaro (PL).
 

Lula ressaltou que o Brasil é o terceiro maior produtor de alimentos do mundo e que não deveria importar fertilizantes para produzir. "Poderíamos ser autossuficientes, mas fecharam as fábricas que a gente tinha. É uma irresponsabilidade total".
 

"É triste você ter um governo que não pensa na soberania nacional, que só trabalha pensando na subserviência, na dependência. Isso não faz uma nação ser grande."
 

O ex-presidente Lula afirmou hoje que não há motivo para que o preço combustível seja atrelado ao dólar. É a terceira vez que ele diz que, se eleito, vai "abrasileirar" o preço dos combustíveis.
 

"O preço dos combustíveis tem que ser nacionalizado. Não existe razão para o preço dolarizado. Depois do pré-sal, o Brasil se tornou autossuficiente, mas agora abriu mão de sua soberania, estão destruindo a Petrobras", disse Lula.
 

A atual política de preços da Petrobras segue o valor do barril no mercado internacional. Por isso, oscilações no exterior acabam tendo impacto para o consumidor brasileiro.
 

No começo deste ano, o preço do petróleo atingiu a máxima em sete anos, impulsionado por perturbações na oferta, tensões geopolíticas e aumento da demanda.
 

Críticos da paridade internacional alegam que ela aumenta o lucro dos acionistas às custas do consumidor, que no fim paga pela alta do dólar e do petróleo. Defensores da política afirmam que essa é a melhor maneira de atrair investimentos, garantir o abastecimento e estimular a concorrência.


Do Portal Bahia Notícias/por Folhapress

Nenhum comentário: